Reviravolta no crédito consignado do INSS surpreende e empolga brasileiros

Na quinta-feira 17, o Governo submeteu ao Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) uma proposta para reduzir novamente os limites de juros em empréstimos consignados destinados a aposentados e pensionistas do INSS. De acordo com essa sugestão, as taxas seriam reduzidas de 1,97% para 1,91% ao mês. Adicionalmente, a proposta contempla uma diminuição nas taxas do cartão de crédito consignado, de 2,89% para 2,83% mensais.
A fundamentação apresentada pelo Ministério da Previdência se baseia na queda da Selic, a taxa básica de juros da economia. No início deste mês, o Comitê de Política Monetária (Copom) realizou um corte de 0,50 ponto percentual na taxa, estabelecendo-a em 13,25% ao ano.
Logo após a resolução do Copom, tanto o Banco do Brasil quanto a Caixa Econômica optaram por reduzir suas taxas de empréstimos consignados para aposentados do INSS, definindo-as em 1,77% e 1,70% ao mês, respectivamente.
Em fevereiro, a tentativa do Ministro da Previdência, Carlos Lupi, de diminuir o teto das taxas de juros dos empréstimos consignados de 2,14% para 1,70% ao mês, sem chegar a um acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) durante a reunião do CNPS, resultou na suspensão dessa modalidade de crédito por parte das instituições financeiras, inclusive as públicas.
A situação somente foi resolvida após a Casa Civil intervir no Ministério da Fazenda. Passados quase um mês, um acordo foi finalizado, estabelecendo o teto das taxas de juros em 1,97% ao mês.
Créditos: FG Trade
Reviravolta no crédito consignado do INSS surpreende e empolga brasileiros (msn.com)